Compositores favoritos que, por acaso, são mulheres

Não é difícil encontrar grandes compositoras de trilhas para game. Assim como muitos papeis na indústria, a taxa de homens e mulheres trabalhando é bem desequilibrada, mas ainda assim temos mulheres que escreveram seus nomes na História dos games. Falarei rapidamente de duas delas, e como elas têm influência no meu estilo.

Que castelão, cara!

O primeiro Playstation é um dos meus consoles favoritos, com muitos jogos maravilhosos feitos para ele. O jogo do qual falarei aqui fez com que pessoas criassem o termo “Metroidvania”. Me refiro ao Castlevania: Symphony of the Night e sua trilha sonora composta por Michiru Yamane.

As músicas são maravilhosas, encaixam perfeitamente no jogo, e a parte mais legal é que a trilha sonora consegue manter um foco no tema do jogo, soando como uma grande obra de horror gótico, mas com muitas diferenças de instrumentos de acordo com as diferentes áreas dos dois castelos gigantes.

No meu trabalho é possível ouvir um pouco desse estilo Michiru nessa faixa que compus para um jogo de plataforma 365 indies gamejam de 2017.

 

Shoryuken!

Bom, essa é a minha faixa favorita de toda a trilha sonora do Street Fighter 2. A trilha sonora foi composta por Yoko Shimomura, e é uma das trilhas sonoras mais empolgantes lançada naquela época.

A primeira vez que eu a ouvi, eu fui para um fliperama com a minha mãe(!), porque ela foi buscar meu irmão lá (provavelmente foi o primeiro dia em que aquela máquina estava ligada lá, e como todo mundo, meu irmão só queria jogar “mais um round”).

Este é o tipo de trabalho que eu faço com mais facilidade: melodias empolgantes e batidas que ficam bemà frente, com uma certa sensação visceral.

Eu tenho um exemplo disso nessa música, a qual fiz para um jogo de VR (Realidade Virtual) no qual você está lutando de dentro de um robô gigante contra um monstro alienígena.

São apenas duas de uma lista imensa de compositoras talentosas que estão por aí, mas as quais acredito que foram as mais inspiradoras para mim, num ponto de vista pessoal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *