Esculpindo o som de uma experiência pós-morte

De onde saiu isso?

Este é Altero, um jogo puzzle-plataforma com uma cara sombria e fofinha. Ele está em desenvolvimento pelo Sergio Schiavo, da Electronic Motion games. Sergio já trabalhou para a EA, mas agora está cuidando do projeto Altero com bastante carinho e cuidado. Ele será apresentado no Indiecade desse ano,e o lançamento está confirmado para a Steam, Xbox One e Playstation 4. E até o início desse ano, Altero ainda não possuía ninguém trabalhando em sua trilha sonora.

Você provavelmente não sabe, mas eu sou aluno de um curso online chamado Game Audio Academy (o primeiro bolsista de lá, a propósito. No futuro eu conto mais a respeito).

Bom, altero é um dos jogos que foi utilizado em um concurso interno através de uma parceria com os devs. O desenvolvedor tem acesso a muitas pessoas talentosas que querem uma chance no mercado, e os alunos conseguem uma oportunidade de uma boa negociação , com um contrato decente.
Eu gostei muito do estilo artístico e da maneira que o core do jogo é amarrado a seu tema, e pulei de cabeça nesse contest (para entender o conceito de core, você pode ler a grande Thais Weiller aqui).

No que você estava pensando?

Eu comecei a olhar sobre os temas que permeiam o jogo: observei bastante a arte, seus conceitos (a morte como parte de um ciclo, e não o fim), a sensação de que o jogo ocorre em um lugar entre dois mundos, e então decidi deixar que esse sentimento etéreo me guiasse no processo de composição.

Eu não queria seguir pelo caminho orquestral, então eu tentei transformar minha guitarra em um sintetizador que fizesse sons de ambiência Para isso, usei muitos reverbs, delay e chorus, e o principal objetivo aqui era chegar o mais longe possível do que as pessoas podem entender como “música de guitarra”.

Então, você perdeu?

SIM! Infelizmente, eu não fui um dos escolhidos para ser compositor ou sound designer desse projeto, mas acredite ou não, esse não é o objetivo principal nesses concursos: eles foram feitos para que pratiquemos a compreensão do briefing que os desenvolvedores nos passam e a prática de nossas habilidades de composição. Naturalmente, o resultado final também vai para o nosso portifolio (e rende artigos longos como este que estou escrevendo aqui).

Então, o vídeo acima é apenas uma parte da minha participação no concurso: você também pode dar uma ouvida em todas as sessenta (!!) faixas que foram escritas para esse concurso na playlist abaixo:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *